Construção do Aeródromo Inhotim foi lançado hoje em Betim

202

Foi lançado na tarde desta quinta-feira (22) o Aeródromo Inhotim, no auditório da PUC Minas Betim. O evento contou com a presença de autoridades, políticos e empresários. O aeródromo ficará em uma área de cerca de 2,8 milhões de metros quadrados, no bairro Bandeirinhas. Serão investidos, exclusivamente pela iniciativa privada, R$ 160 milhões.

Para o prefeito de Betim Vittório Medioli, que firmou sua campanha de 2016 baseando-se na construção do aeródromo, é a realização de um sonho que tem vivenciado junto com os betinenses. “A prefeitura atendeu aos pedidos da indústria local, apoiou essa ideia e montou um projeto de viabilidade econômica, técnica e aéreos, para desenvolvimento desse aeroporto. Depois entregou para um grupo de investidores que tem seus negócios ancorados em Betim. O projeto nasce com características para atender ao aumento da demanda dos próximos 20 anos”, destacou.

O prefeito também destacou como o projeto não só contemplou a demanda dos empreendedores, econômica da cidade, como também considerou a questão da preservação ambiental. “Temos a preocupação com nossa natureza maneira inovadora, equipamentos vindos dos estados Unidos que poderão transplantar árvores para tirar raízes transplantadas em outros locais para reflorestar em outras localidades, até mesmo no espaço público de Betim. Tudo isso pra preservar a nossa natureza.”

Para Luiz Tito, presidente da Orion Participações, empresa empreendedora do aeródromo, a o empreendimento é a resposta da demanda de muitos empreendedores. “Inicialmente vamos atender a viação executiva instalação das empresas e possibilitar também instalação de empresas de manutenção. O futuro é também que seja um aeródromo que transporte de equipamentos, insumos, de alta tecnologia, o que requerem um aeródromo específico. Por enquanto, atenderemos aviões do porte de Minas Gerais”, pontuou Tito.

De acordo com o engenheiro responsável pelo projeto, Márcio Kadar, o projeto é a garantia de muitas soluções para Betim e região. “Com esse empreendimento, os empreendedores terão a demanda atendida. Uma melhoria para região, mas, principalmente, no aspecto econômico pra cidade. Atividades de ”, enfatizou.

Kadar também destacou na apresentação do projeto que há uma demanda de aproximadamente, 3 mil voos anuais, originados de diversos destinos, de acordo com pesquisas. Com a construção do aeródromo, há a possibilidade de ampliação desse fluxo, o que vai gerar benefícios para Betim e entorno. As atividades de turismo, comércio e produção industrial serão ampliadas, criando mais empregos e ampliando as atividades econômicas da região.

INVESTIMENTOS

Com investimento estimado em R$ 140 milhões, a expectativa é gerar mais de 640 empregos diretos e 800 indiretos na região. Em pleno funcionamento, a criação de postos de trabalho poderá chegar a 21 mil.

Segundo o presidente do consórcio, Luiz Tito, trata-se de um empreendimento exclusivamente privado, que, inicialmente, operará apenas voos executivos, mas nascerá com todas as condições de operar voos comerciais regionais. De acordo com o projeto, futuramente o aeroporto poderá receber aviões do porte do modelo 737-800 da Boeing, que possuem 39 metros do comprimento e 37 metros de envergadura, e capacidade para aproximadamente 180 passageiros.

“Estamos falando de uma pista de 1.800 metros de comprimento. Ao todo, são 500 metros a mais do que o Aeroporto Carlos Drummond de Andrade, mais conhecido como aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte; e do que o Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro”, completou.

O terminal de passageiros ocupará uma área de 1.200 metros quadrados e terá duas pontes para embarque e desembarque de passageiros. Também serão construídos hangares para o abrigo de aeronaves de pequeno porte e de porte comercial.

TURISMO

Segundo ele, o Aeródromo Inhotim estará voltado para os turistas que visitam o museu, além de moradores e empresários de cidades como Betim, Divinópolis, Itaúna, Mateus Leme, Igarapé, entre outras, situadas a cerca de 150 quilômetros do Aeroporto Internacional Tancredo Neves.

“Além disso, haverá uma questão de segurança, já que a região não tem um local de pouso, sequer para helicópteros, em situações de emergência. Ele também oferecerá um suporte ao parque industrial e comercial, localizado em Betim e em seu entorno”, ponderou.

Pesquisas apontam que a região tem uma demanda de, aproximadamente, 3 mil voos anuais, originados de diversos destinos. Com a construção do aeródromo, há a possibilidade de ampliação desse fluxo, o que vai gerar benefícios para Betim e entorno. As atividades de turismo, comércio e produção industrial serão ampliadas, criando mais empregos e ampliando as atividades econômicas da região.